Image and video hosting by TinyPic />

Como lidar com crianças "ecotirânicas" - Por Içami Tiba



A vida não começa quando se nasce. Existe uma gravidez prévia e o preparo dos pais antes da gravidez. Nem a vida termina quando o que nasceu morre. Naturalmente ele deixa filhos e netos. Assim a vida continua e a humanidade caminha.

O cérebro humano não nasce pronto e continua se desenvolvendo por quase três décadas, mas continua aprendendo o resto da vida, desde que não adoeça ou sofra um acidente precocemente.

O período em que o cérebro mais se desenvolve é nos primeiros anos de vida da criança. Esta nasce sem um mínimo de conhecimento racional e consegue absorver o mundo que o cerca em pouco tempo. Basta verificar a dificuldade que um adulto tem para aprender uma língua nova, adquirir um comportamento novo ou largar um vício já arraigado dentro dele. Este potencial incrível de aprendizado está sendo desperdiçado pela nossa sociedade.

 

Outros desperdícios

Os maiores desperdiçadores são pais: na linha de pobreza que mal têm o que comer; analfabetos; dependentes químicos; psicóticos; neuróticos graves; deficiência mental grave; ausentes no convívio com as crianças; adolescentes com gravidez precoce; mãe solteira sem ajuda da família etc. Estes não têm condições de oferecer os cuidados mínimos necessários em saúde nem promover estímulos necessários para um bom desenvolvimento dos seus filhos, que chegam à escola já em desvantagem nas áreas cognitivas e emocionais em relação a outras crianças melhores assistidas.

Esta desvantagem vai se consagrando com a idade e propiciam repetências e abandonos escolares que, por sua vez, fortalecem as diferenças sociais, a perpetuação da ignorância e da pobreza, da violência social, dos analfabetos e analfabetos funcionais e o desemprego em um país que precisa de empregados. A atual escola sozinha e os pais conseguem diminuir, mas não reverter esta desvantagem.

 

Bons pais

Famílias desenvolvem filhos competentes, com boa auto-estima e integrados numa sociedade competitiva quando os pais têm cultura e educação, leem em voz alta para os seus filhos, fornecem estímulos lógicos e desafios com jogos educativos, não os negligenciam nas mãos de terceiros (creches, babás, irmãos com pequenas diferenças de idade, funcionários outros etc.), acompanham suas tarefas diárias (sim, crianças têm suas obrigações adequadas às suas idades), corrigem os seus erros e cobram o que lhes foi ensinado (fazendo-os arcar com as consequências dos seus comportamentos inadequados). É a diferença existente entre a criação silvestre (largada) e educação orquestrada (integrada) dos filhos.

Assim, o investimento na educação das crianças tem que ser iniciado com os seus próprios pais e/ou responsáveis e professores da primeira infância em grande escala.

Cenas domésticas que contribuem para o melhor entendimento do que expus são muito comuns. Escolhi a das crianças ecotirânicas em relação aos seus pais. Tirania é o método preferido dos incompetentes para reinarem. Dê poder a um ignorante que ele mostrará a ignorância no poder. Se um filho é criado como um príncipe herdeiro, e seus pais que se submetem aos seus caprichos ele abusará da tirania para impor seus conhecimentos e vontades.

São filhos que aprendem na escola o valor do consumo da água potável e da luz, tornam-se tiranos na sua aplicação em casa. Tornam-se ecochatos e ecotiranos, impondo o que sabem em vez educar e ensinar os seus pais no que estes não sabem. Não respeitam autoridade educativa dos pais. Sem reconhecimento nem respeito ao próximo não há educação.

 

Educação e respeito

Não é a submissão dos educadores aos caprichos, destemperos e desmandos dos filhos que que fará deles cidadãos éticos, mas sim investindo na sua educação.

James Heckman, americano, prêmio Nobel de Economia de 2000 afirmou que "para cada dólar aplicado, a sociedade ganhou nove", baseado em um estudo feito em educação na primeira infância em Michigan, Estados Unidos.

O Brasil, estando entre os dez maiores PIBs do mundo, tem como recuperar sua educação que está entre os piores do mundo se de fato ela receber uma real e ética priorização pública e familiar.


 
Içami Tiba é psiquiatra e educador. Escreveu "Família de Alta Performance", "Quem Ama, Educa!" e mais 26 livros.

Nenhum comentário: